Divina Misericórdia fonte de milagres e prodígios: Eu confio em Vós!

Divina Misericórdia fonte de milagres e prodígios!

Eu confio em Vós!

O Rosto de Deus é Misericórdia; os braços de Deus é um voltar-se constante ao seu amor misericordioso. Celebramos no segundo domingo da Páscoa o domingo temático à “Divina Misericórdia” instituído por São João Paulo II. Concluímos assim a Oitava de Páscoa, o dia da Vida, o dia da vitória do Cristo Senhor sobre o pecado e a morte – “O Dia que o Senhor fez para nós”. Sendo assim, essa oitava de páscoa nos aponta o caminho da misericórdia de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Somos tão amados por Deus que ele nos enviou o seu Filho nesses ‘últimos tempos’ e não negou o entregar ao sacrifício da cruz por amor de nós.

É muito significante as palavras de Cristo no Evangelho segundo São Mateus: “Vinde a mim – disse Jesus – todos vós que estais cansados e carregados de fardos, e eu vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e sede discípulos meus, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vós. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt 11,28-30). O Mestre, em outras palavras, convida a todos, a todos abraça, a todos envolve em sua ternura sem medida; quer transfundir nos discípulos sua infinita misericórdia. (AMENTA, Mons. Piero. MISERICORDIOSO E JUSTO)

A misericórdia é o rosto do Pai, os braços do Filho e o fogo do Espírito Santo. Rosto do Pai, porque nos revela quem ele é, o seu mais íntimo e profundo sentimento pelos seus; os braços do Filho, porque no seu sacrifício na cruz somos capazes de saborear a grandeza da graça de Deus nos sacramentos, de modo particular o da ‘reconciliação’ (tribunal por excelência da misericórdia de Deus); o fogo do Espírito Santo, porque somos impulsionados a viver em nós os seus dons e carismas que nos encoraja na missão. Daqui concluímos que somos amantes de Deus, amor que não se esgota, sem limites. “Dai graças ao Senhor porque Ele é bom, eterna é a sua misericórdia”, mas não esqueçamos, ‘a misericórdia é também suma justiça’.

“O meu passado já não me preocupa; pertence à misericórdia divina. O meu futuro ainda não me preocupa; pertence à providência divina. O que me preocupa e me desafia é o hoje, que pertence à graça de Deus e à entrega do meu coração, da minha boa vontade.” (S. Francisco de Sales)

Sem. Ramon Lima

Diocese de Eunápolis, BA

3º Ano de Teologia, 2018

Join the discussion Comentário

Deixar um comentário